Acordo expandirá fornecimento de energia no RS

0

Ligar a luz é um hábito que a maioria das pessoas faz sem se dar conta. Mas, até a energia chegar nas residências, existe um processo cheio de detalhes técnicos. O mais importante é garantir um serviço de qualidade e com total segurança. Um passo decisivo foi dado nesta sexta-feira (17) com um acordo para qualificar o setor. O documento foi firmado pela Eletrobras, Eletrosul, a empresa chinesa Shanghai Electric e o Clai Fund, Fundo Chinês para Investimento na América Latina. O governo do Rio Grande do Sul também assinou como testemunha.

Na prática, serão investidos R$ 3,9 bilhões para melhorar e expandir o fornecimento de energia elétrica no estado. O recurso será usado para construir 1,9 mil quilômetros de linhas de transmissão e oito novas subestações, além de ampliar 13 subestações que já existem. Segundo o presidente da Eletrosul, Gilberto Odilon Eggers, as contrapartidas ainda estão sendo definidas, mas não envolvem dinheiro dos cofres gaúchos. “Estamos discutindo a estrutura de capital e o aporte de cada empresa. O restante virá de financiamentos que serão buscados na China e provavelmente no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)”, afirmou.

A previsão é de que as obras comecem em março de 2018 e sejam concluídas em até 48 meses. Durante a execução, a expectativa é gerar onze mil empregos diretos. O novo sistema de transmissão vai melhorar o fornecimento de energia para a Região Metropolitana e criar um novo ponto de atendimento na região Norte. “O benefício prático para o cidadão é que, quando tudo isso for concluído, muito provavelmente ele não terá mais problemas de fornecimento de energia nas épocas de pico, como o verão”, explicou o secretário de Minas e Energia, Artur Lemos.

Mobilização no setor

O governador José Ivo Sartori destacou o esforço para manter o investimento no Estado. As negociações foram fundamentais porque a Eletrosul, uma subsidiária da Eletrobrás, venceu o leilão ANEEL nº 004/2014, mas nunca conseguiu levar o projeto adiante. Por questões legais, havia o risco de cancelar todo o processo. Graças a uma grande mobilização, surgiu a possibilidade de outra empresa assumir as obras. Assim, o acordo estabelece que a concessão, atualmente da Eletrosul, seja transferida para uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), constituída pela Shanghai Electric e o Clai Fund.

“Fizemos a nossa parte, dentro do que nos cabia, sem interferir na negociação entre as empresas. Nosso objetivo foi ajudar a construir a solução. Nossa mobilização foi intensa. Trabalhamos para dar celeridade aos processos de licenciamento ambiental. O tema era urgente e não medimos esforços. Afinal, o atraso das obras poderia dificultar a participação de projetos gaúchos em futuros leilões de energia”, destacou Sartori.

Também participaram da cerimônia no Palácio Piratini o embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., da Shangai Electric, Xue Weipin, do Clai Fund, Qin Hong, da primeira-dama do RS, Maria Helena Sartori, além de outras autoridades estaduais, federais e empresários.

Fonte: Portal do Estado do RS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.