Emendas para municípios: um pacto necessário

Por: Senador Paulo Paim
Um pequeno detalhe faz uma grande diferença. Invariavelmente, isso acontece em todas as situações da vida, sejam elas pessoais ou profissionais. Mas para que essas particularidades sejam realizadas com sucesso é preciso, antes de tudo, decisão política. Ouvir, pensar e agir. Uma tríade invencível. Para os interioranos há mais um componente nessa “filosofia”: o apalavrado é herança dos pais e dos avós e a assinatura é o ‘fio do bigode’.
Independentemente de cor partidária, ideologia, adversário político ou não, se maragato ou chimango, se gremista ou colorado, o nosso mandato estabeleceu um enorme avanço na distribuição de emendas individuais ao Orçamento Geral da União. Fizemos de forma igualitária. Todos os 496 municípios gaúchos já foram contemplados com pelo menos uma emenda de nossa autoria. Muitos, inclusive, já então no terceiro benefício, em sistema de rodízio.
As indicações que fizemos foram para o bem coletivo: centros de saúde, reforma de hospitais, manutenção de redes de água e esgoto, aquisição de maquinário agrícola, revitalização de praças, pavimentação de vias urbanas e rurais, construção de quadras de esporte e casas de atendimento aos idosos, implantação de projetos sociais, culturais, turísticos e ambientais.
É também de nossa autoria, todos os anos, a indicação de emenda de bancada para a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), e que conta com apoio dos outros dois senadores e dos deputados federais gaúchos. Ao total foram R$ 177,5 milhões.
Se bem e honestamente utilizadas por prefeitos e vereadores, essas emendas, tendo sempre no horizonte olhos de desenvolvimento social e econômico, são extraordinários instrumentos de transformação. Ainda mais que o chamado Pacto Federativo está totalmente desfigurado e capenga. O Poder Central fica com 70% de toda a arrecadação e o resto é dividido, à conta gotas, entre estados e municípios.
A região Centro Sul, por exemplo, Arambaré, Arroio dos Ratos, Barão do Triunfo, Barra do Ribeiro, Butiá, Camaquã, Cerro Grande do Sul, Charqueadas, Chuvisca, Cristal, Dom Feliciano, Mariana Pimentel, Minas do Leão, São Jerônimo, Sentinela do Sul, Sertão Santana e Tapes foi contemplada com R$ 5,5 milhões. O acesso detalhado por município pode ser realizado pelo portal www.senadorpaim.com.br ou pelo e-mail paulopaim@senador.leg.br
O sistema de distribuição igualitária de emendas que estabelecemos, aliás, fomos os pioneiros, não é, obviamente, a salvação da lavoura. Mas é um enorme passo para o resgate da razão republicana que tanto nos faz falta. Quando entendermos que o poder emana do povo, talvez muitas das coisas que estão erradas em nosso país sejam consertadas. A grande sacada dessa geografia espiritual que buscamos é a transformação das nossas indiferenças em posturas humanistas e solidárias. Como bons interioranos que somos, “estendemos à mão, cumprimentamos e ainda tiramos o chapéu”. Assim, eu creio.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios