Piscicultor sertanense “pesca” carpa com 35kg

Sertão Santana – A pescaria rendeu na propriedade do casal Arnildo Solka e Vera Cristmann, na localidade de Maravalha, em Sertão Santana. Na verdade eles nem estavam pescando, mas fazendo o manejo de filhotes de um açude para outro, no sábado, 27 de agosto, quando, para a surpresa de todos, a rede pesou e surgiram algumas carpas que haviam sobrado da última despesca.

Com cerca de três anos de cultivo no açude as carpas capturadas, da espécie Cabeça Grandes (ou Cabeçuda), impressionaram pelo tamanho e peso. Uma delas chegou a pesar 35 kg, mais até que a menina Raíssa, de 08 anos, filha do casal que até tentou segurar o “peixão”, mas se assustou com os movimentos do bicho.

Características
A carpa-cabeçuda é originária da China (Ásia), mas está presente hoje em quase todo o mundo. Visualmente, como característica principal, tem inúmeras pequenas manchas negras dispersas pelo corpo. Também apresenta escamas pequenas e uniformes, e uma boca gigante.
Ao se alimentar, uma curiosidade: faz uma espécie de bombeamento de água para dentro da boca, de forma a filtrar os micro-organismos que lhe interessam, por isso mostra-se bastante relacionada com a carpa prateada em seus hábitos alimentares. Pode, inclusive, nadar de boca aberta. Por isso mesmo é comum observá-la na superfície dessa maneira.

Opção de renda
A piscicultura tem surgido como opção de renda aos agricultores familiares na região e aos poucos a criação de peixes vem dividindo espaço com outras culturas nas pequenas propriedades. Embora a cultura predominante seja o fumo nem sempre os resultados tem sido satisfatórios com a fumicultura, além de que o risco da monocultura é grande e em muitos casos é preciso diversificar a produção.
Com o apoio do poder público, especialmente dos escritórios municipais da Emater-RS/Ascar, muitas famílias construíram microaçudes que estão repletos de diversos tipos de peixes, especialmente carpas das espécies Cabeça-Grande, Capim, Húngara e Prateada, ou ainda tilápias, traíras e jundiás. O resultado tem sido o complemento da renda familiar e mais qualidade alimentar.
Recentemente o Programa Segunda Água, do Governo do Estado em convênio com o Governo Federal, lançado em 2013, beneficiou diversas famílias que estavam incluídas no Plano Brasil Sem Miséria e na região Centro Sul foram construídos 153 microaçudes, nos municípios de Cerro Grande do Sul, Chuvisca, Camaquã, Dom Feliciano, São Jerônimo e Sertão Santana.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios