Sebrae apresentou relatório com o Raio X turístico da Costa Doce

0

Rica em atrações tanto pela sua natureza quanto pela sua história e patrimônio, a Região Costa Doce do Estado oferece possibilidades de desenvolvimento por meio do turismo. Em busca da identificação dessas oportunidades e dos elementos que são diferenciais, o Sebrae RS realizou radiografia da região por meio de pesquisa em 16 municípios – Guaíba, Barra do Ribeiro, Tapes, Arambaré, Camaquã, São Lourenço do Sul, Pelotas, Jaguarão, São José do Norte, Tavares, Chuí, Santa Vitória do Palmar, Arroio Grande, Piratini, Pinheiro Machado e Rio Grande – através do Instituto de Pesquisa de Mercado da Unisinos.
Na tarde desta quarta-feira, 10 de outubro, o relatório desenvolvido pelo Sebrae RS e pela Unisinos foi apresentado a dezenas de empresários e representantes políticos de diversos municípios da região que lotaram o auditório do Hotel das Figueiras, em São Lourenço do Sul.
Conforme a técnica do Sebrae RS e responsável pelo projeto, Amanda Paim, a pesquisa é uma demanda da governança para compreender e apoiar o desenvolvimento do turismo nas regiões Campanha, Fronteira Oeste e Sul. Juntas, as três regiões respondem por 10,6% do PIB do Estado, 16% da população e 8,6% dos municípios. O turismo foi uma das alternativas apontadas pelos grupos integrados por representantes dos setores público e privado e terceiro setor ao elencarem as prioridades para fomentar o desenvolvimento local.
O foco da pesquisa é analisar a qualidade dos atrativos, os serviços e a infraestrutura relacionados ao turismo, as iniciativas empreendedoras da região, bem como o potencial que pode ser explorado, entre outras peculiaridades. “Além da oferta de atrações, também procuramos identificar o perfil do visitante da região”, afirma Amanda. O trabalho foi feito em parceria com a Unisinos, pela expertise do Instituto de Pesquisa de Mercado, e pelo olhar diferente de quem vem de fora conhecer a região, destaca Amanda. Os resultados da pesquisa serão detalhados nesta quarta-feira, durante a apresentação.

Algumas conclusões da pesquisa:
– Existe a necessidade de inovar e melhorar os produtos turísticos
– É necessário melhorar a comunicação e divulgação da oferta
– A região é conhecida como Costa Doce, mas é preciso melhorar a compreensão e percepção junto ao mercado
– As águas são um grande potencial, e a prática de esportes náuticos deveria ser melhor explorada também como negócio, hoje é voltada para lazer.

Texto: Ascom do Sebrae – Edição: Regional – Fotos: Voltaire Santos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here