Atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual ganha reforço

Novo Crai entrou em funcionamento dia 2 maio no Hospital Geral de Caxias do Sul

Neste 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, o Rio Grande do Sul já pode contar com um novo Centro de Referência ao Atendimento Infantojunvenil (Crai) que entrou em funcionamento no dia 2 maio no Hospital Geral de Caxias do Sul. Este é o segundo Crai do Estado e foi implementado com incentivos do Programa Assistir, que destina incentivos para habilitação de serviços especializados que constam no Plano Plurianual 2020-2023. A previsão orçamentária é de R$ 5,2 milhões para a implantação de oito Crais, inicialmente. Desde 2001 já funciona, em Porto Alegre, um Crai no Hospital Presidente Vargas.

O objetivo do Programa Assistir é distribuir incentivos hospitalares de forma equânime e transparente a todos os hospitais vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS), independentemente do tipo de gestão (estadual ou municipal), de maneira proporcional aos serviços entregues à população, observando a regionalização da saúde e a capacidade instalada e resolutiva de cada instituição.

Em 2020, o Brasil registrou mais de 60 mil estupros, sendo que em 73,7% dos casos as vítimas eram vulneráveis. A maioria das vítimas era do sexo feminino (86,9%) e em 85,2% dos casos a vítima conhecia o agressor (Anuário Brasileiro de Segurança Pública, 2021).

No Rio Grande do Sul, são registrados 27 casos de violência contra crianças e adolescentes por dia, sendo 25% deles de natureza sexual. Entre 2018 e 2020, houve 29.320 casos, sendo 6.659 de violência sexual, conforme dados do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde.

Estudos apontam que a violência contra crianças e adolescentes aumentou durante a pandemia, a partir das medidas de isolamento social e confinamento domiciliar. Cada vez mais é necessário o fortalecimento das políticas públicas para assegurar a proteção e a defesa dos direitos dessa população.

A data de 18 de maio foi escolhida em alusão a um crime bárbaro, o Caso Araceli, ocorrido na cidade de Vitória (ES) em 1973. Araceli Cabrera Sanches, de oito anos, foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e morta por membros de uma tradicional família capixaba. O crime permanece impune.

Leia mais

Primeiro Centro de Referência em Atendimento Infantojuvenil do interior é inaugurado em Caxias do Sul.

Texto: Ascom SES
Edição: Secom

POLÍCIA

Mulher foi presa transportando crack junto com a filha de 12 anos

Na noite desta sexta-feira, 24, a Polícia Rodoviária Federal prendeu três pessoas que transportavam uma carga de crack escondida em uma mochila. A ação...

Homem é morto com paulada na cabeça em Camaquã

Mais um caso contribuiu para o aumento nos índices de criminalidade do município de Camaquã, na madrugada deste sábado (25). Um homem de 40 anos...

Polícia Civil prende seis pessoas durante operação em Camaquã

Na tarde desta quarta-feira (23), uma megaoperação contra os crimes de organização criminosa, tráfico de drogas e homicídio foi realizada no bairro Bom Sucesso,...