A vontade da jovem Hellen Silva Rackow de ficar no campo em Camaquã e desistir de ir para a cidade foi motivada pelo Programa Bolsa Juventude Rural. Ela conseguiu inscrever-se e teve um auxílio já no ano passado de R$ 200,00 mensais, pagos por um período de dez meses. Assim como ela, outros jovens podem acessar uma das 471 bolsas de estudo que estão sendo concedidas pela Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). O prazo para as inscrições foi prorrogado até o dia 30 de abril. A Emater/RS-Ascar atua na divulgação, orientação para as inscrições, e auxilia na elaboração do projeto produtivo e na execução do Programa.

Segundo a extensionista da Emater/RS-Ascar em Camaquã, Noêmia Richter, a mãe e as três meninas, incluindo Hellen, produzem olerícolas para vender. “A jovem procurou a Emater em busca de um incentivo. Como vimos que ela se enquadrava como beneficiária do programa, fizemos o convite e ela aceitou, assim passou a fazer parte do Programa e os extensionistas fizeram um projeto técnico para o desenvolvimento da propriedade”, explica.

Noêmia conta que já conseguiram outros benefícios para a família, como a construção de um açude, e também com o apoio da Prefeitura, para compra de equipamentos e tela. “A nossa ideia futura é que elas forneçam alimentos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do Governo Federal, porque elas são muito esforçadas”.

Hellen está muito feliz e esperançosa porque, se não fosse isso, ela iria sair para trabalhar na cidade e ter uma renda extra. “Estes benefícios fizeram com que ela permanecesse na propriedade, ajudando a mãe e as irmãs. Hoje ela tem vários planos, mas sem sair do campo”, ressalta a extensionista.

“Eu agora não penso mais em sair, ao contrário, quando tiver condições quero investir mais aqui na propriedade para deixarmos o cultivo de tabaco”, pondera a jovem Hellen.

A extensionista da Emater/RS-Ascar, Magda dos Santos Pereira, conta que na região de Porto Alegre, no ano passado, foram concedidas bolsas para nove jovens rurais, sendo uma para Camaquã, quatro para Caraá, uma para Cidreira e três para Mostardas. O Programa Bolsa Juventude Rural é muito importante, de acordo com Magda, pois estimula e oportuniza a permanência dos jovens no campo, por meio do projeto produtivo que deve ser desenvolvido com a Emater/RS-Ascar e que o jovem deve aplicar na propriedade. “O Programa está vinculado à matrícula e à frequência escolar, estimulando com isto a permanência e conclusão dos estudos”, destaca.

Bolsa Juventude no Estado

Neste ano são concedidas 471 bolsas pelo Programa, sendo 200 para alunos do 2º ano e 271 para alunos do 3º ano do Ensino Médio. Neste ano, a novidade é a necessidade de envio de um pré-projeto, junto à documentação mínima exigida pela lei. Esse pré-projeto deverá servir de base para a elaboração do Projeto Produtivo, que é a contrapartida obrigatória apresentada pelo jovem durante o recebimento da Bolsa.

Na avaliação da extensionista Clarice Böck, de 2017, quando a Emater/RS-Ascar ingressou no Programa, até agora, é possível constatar êxitos, dentre eles a motivação dos jovens. “O Programa permite a geração de uma atividade produtiva, do gosto dele, e no futuro traz renda, além de ser um incentivo para a permanência no campo”, avalia Clarice.

Requisitos

Para participar, o jovem precisa atender a requisitos como estar matriculado(a) no segundo ou no terceiro ano do ensino médio, em escolas públicas estaduais ou em instituições sem fins lucrativos e de caráter comunitário, ter entre 15 e 29 anos, possuir Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) ativa e possuir baixa renda bruta familiar.

Para mais informações, procure um Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar, lembrando, que neste momento, em virtude da pandemia da Covid 19, os atendimentos estão sendo feitos por ligação telefônica, whatsapp ou e-mail. Os contatos dos escritórios municipais (EM) podem ser encontrados no site da Emater/RS-Ascar em https://bit.ly/2QJCt7w.

Fonte: Ascom Emater/RS-Ascar | Jornalista: Carine Massierer