Em viagem aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender neste domingo, 08 de março, que as pessoas saiam às ruas nas manifestações esperadas para o próximo dia 15, que têm pauta anti-Congresso.

“Em que ponto estavam as instituições? Loteadas por partidos políticos. Eu não estou atacando o Congresso, estou atacando um costume, uma praxe. Todo mundo quer mudar o Brasil com as mesmas praxes. Não dá”, afirmou ao sair de uma churrascaria em Miami.

O presidente já havia pedido que seus apoiadores compareçam aos protestos num vídeo postado em seu Facebook no sábado, 07 de março. Na gravação, ele discursava para pessoas num galpão em Boa Vista, Roraima, durante escala de sua viagem até os Estados Unidos. Assim como fez neste domingo, Bolsonaro ressaltou naquela ocasião que o ato não é um movimento contra outros Poderes.

“Então participem, não é um movimento contra o Congresso, contra o Judiciário, é um movimento pró-Brasil. É um movimento que quer mostrar para todos nós, presidente, Poder Executivo, Poder Legislativo, Poder Judiciário. Que quem dá o norte para o Brasil é a população”, afirmou.

A declaração, no entanto, foi criticada por deputados e senadores ouvidos pelo Poder360 (fonte desta matéria). O líder do PT na Câmara, deputado Ênio Verri (PR), afirmou que o presidente tenta desviar o debate sobre a Economia em seu governo.

“É muita coincidência o presidente Bolsonaro primeiro dizer que não tem nenhum envolvimento com a manifestação de 15 de março e, depois que sai o resultado do PIB [Produto Interno Bruto], começa a fazer movimentos para que o debate sobre a política econômica seja desviado”, afirmou.

Antigo aliado de Bolsonaro, o senador Major Olímpio (PSL-SP) disse que a interpretação “da maioria” dos congressistas é de que “Bolsonaro assumiu que vai para o pau contra o Congresso”. Como consequência, apontou ele, “certeza de muita confusão e trancamento das pautas”.

CONTEXTO

O posicionamento do governo pró-manifestações se tornou público a partir de declarações do ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Durante uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, vazou uma declaração do ministro de que o Congresso “chantageava” o Executivo.

Diferentes autoridades repudiaram o posicionamento de Heleno. Entre elas, ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), além de outros deputados e senadores.

As declarações do ministro, no entanto, ganharam respaldo nas redes sociais, entre apoiadores do presidente. Depois, Bolsonaro usou seu WhatsApp pessoal para divulgar vídeo que convocava a população para os protestos.

Já neste sábado (7.mar), Bolsonaro pela primeira vez se posicionou publicamente a favor dos atos, ressalvando que não se trata de um ataque aos demais Poderes da República. As manifestações têm uma pauta anti-Congresso, mas ele disse que “quem diz que é um movimento impopular contra a democracia está mentindo e tem medo de encarar o povo brasileiro”.

“Dia 15 agora tem 1 movimento de rua espontâneo, é 1 movimento espontâneo e o político que tem medo de movimento de rua não serve para ser político”, completou.

Fonte e foto: Poder360 / Edição: Portal ClicR