A quarta-feira, 13 de outubro, iniciou com uma ótima notícia para a região, veiculada inicialmente pelo Jornal do Comércio, e que trouxe boas novas em termos de desenvolvimento para Tapes, a partir do anúncio da empresa Brain Energy de que poderá se concretizar já em 2022 o investimento de R$ 1,09 bilhão na implantação de um parque eólico no município com capacidade para gerar 239 MW em energia.

O projeto que leva o nome de Capão Alto, em referência a localidade onde será implantado já conta com todas as licenças necessárias para sua execução, inclusive as ambientais e prevê inicialmente a instalação de 69 aerogeradores.

O Portal ClicR entrou em contato com o empresário Telmo Magadan, sócio proprietário da Brain Energy, que falou da satisfação em poder finalmente estar encaminhando os últimos ajustes em termos de estruturação financeira e modelagem societária para iniciar a implantação do parque efetivamente.

“A pandemia fez com os trâmites se estagnassem, mas graças a Deus vemos as coisas andando novamente e se tudo correr como esperamos, acredito que em 2022 poderemos dar início às obras para a implantação efetiva do parque”, estimou Magadan.

O projeto do complexo eólico em Tapes vem sendo desenvolvido há mais de cinco anos e em 2019 o empresário esteve na Câmara Municipal participando de evento em que detalhou o processo. Ao longo do tempo alguns entraves foram superados, incluindo a falta de infraestrutura do Estado, sobretudo pela limitação das linhas de transmissão na época que não tinham capacidade para suportar mais energia. Todavia essa realidade mudou com novos investimentos públicos no setor.

“Em 2014 o Rio Grande do Sul não pode participar do leilão de energia da Agência Nacional de Energia (Aneel) por falta de infraestrutura de transmissão e permanecemos seis anos fora da disputa. Felizmente essa realidade mudou e isso atrai novos investidores agora”, explica o empresário.

Contudo ele destacou que o empreendimento em Tapes não depende de leilão do Governo Federal e que a energia produzida deverá ser vendida no comércio livre para empresas privadas.

Questionado quanto aos benefícios ao município, sobretudo ao impacto que o empreendimento deve produzir na arrecadação do ICMS de Tapes, a partir do seu pleno funcionamento, o empresário foi cauteloso em fazer estimativas, contudo garantiu que o retorno financeiro é sim um grande aporte aos cofres públicos municipais, considerando exemplos de outros municípios onde já implantou parques eólicos, incluindo o de Osório, no Litoral Norte do Estado.

“Trabalhamos há 20 anos neste setor e podemos garantir que além da geração de impostos os parques eólicos contribuem para o desenvolvimento socioeconômico de uma forma geral da região onde são implantados”, afirmou Magadan.

Além desta primeira fase que está prestes a sair do papel, futuros investimentos estimados em R$ 1,5 bilhão já estão previstos pela empresa para uma segunda etapa com a ampliação do parque e aumento da produção de energia em mais 350 MW.

Lideranças políticas da região se manifestaram nas redes sociais ao longo do dia comemorando a notícia.

Para o ex-prefeito de Tapes, Silvio Rafaeli, que acompanhou o desenvolvimento do projeto durante sua gestão, a efetivação do empreendimento vem para coroar o esforço da Brain Energy e para presentear o município com um investimento que vai alavancar o desenvolvimento e proporcionar uma fonte de renda extra e importante aos novos gestores municipais.

Já o deputado Marcus Vinicius se manifestou como presidente da Frente Parlamentar da Infraestrutura e Mobilidade e da Frente Parlamentar em Defesa do Desenvolvimento da Metade Sul e disse que nas próximas semanas pretende promover um painel temático com o objetivo de divulgar detalhes sobre o empreendimento.

O Portal ClicR questionou o prefeito de Tapes, Luiz Carlos Luiz Carlos Coutinho Garcez sobre sua posição a respeito da notícia e o administrador retornou o contato por meio de sua assessoria de gabinete dizendo que está buscando mais informações sobre o assunto para se manifestar.