Dólar sobe para R$ 5,13 à espera de juros no Brasil e nos EUA

Bolsa cai 0,52% e atinge menor nível desde o início do ano

O mercado financeiro teve mais um dia tenso à espera das decisões sobre os juros básicos no Brasil e nos Estados Unidos. O dólar subiu pela sétima vez seguida e alcançou o maior valor em pouco mais de um mês. A bolsa de valores teve a oitava queda consecutiva e atingiu o menor nível desde o início do ano.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (14) vendido a R$ 5,134, com alta de R$ 0,019 (+0,38%). A cotação chegou a operar em queda durante a manhã, mas firmou a tendência de alta após a abertura do mercado nos Estados Unidos.

A moeda norte-americana está no maior nível desde 12 de maio, quando encerrou a R$ 5,14. A divisa subiu 8,02% em junho, mas acumula queda de 7,93% em 2022.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pelo nervosismo. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 102.603 pontos, com recuo de 0,52%. O indicador chegou a operar em alta no início das negociações, mas inverteu o movimento ainda durante a manhã. A bolsa está no menor nível desde 10 de janeiro, quando estava em torno dos 101 mil pontos.

Apesar da queda do Ibovespa, as ações da Eletrobras subiram, após a estreia da empresa privatizada na bolsa de valores. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) subiram 3,37%. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) valorizaram-se 2,36%.

Como nos últimos dias, o mercado financeiro agiu em compasso de espera. Amanhã (15), tanto o Banco Central do Brasil como o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) divulgam as novas taxas de juros. No Brasil, espera-se que o Comitê de Política Monetária (Copom) aumente a taxa Selic (juros básicos da economia) em 0,5 ponto percentual, para 13,25% ao ano.

O que vem causando turbulência no mercado financeiro é o futuro das taxas básicas nos Estados Unidos. Com a inflação na maior economia do planeta em 8,6% nos últimos 12 meses, no maior nível em 41 anos, os investidores temem que o Fed aperte os cintos e eleve os juros em 0,75 ponto percentual, para uma faixa entre 1,5% e 1,75% ao ano. Taxas mais altas em economias avançadas provocam fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

Fonte: Reuters/ Edição: Agência Brasil

POLÍCIA

Mulher foi presa transportando crack junto com a filha de 12 anos

Na noite desta sexta-feira, 24, a Polícia Rodoviária Federal prendeu três pessoas que transportavam uma carga de crack escondida em uma mochila. A ação...

Homem é morto com paulada na cabeça em Camaquã

Mais um caso contribuiu para o aumento nos índices de criminalidade do município de Camaquã, na madrugada deste sábado (25). Um homem de 40 anos...

Polícia Civil prende seis pessoas durante operação em Camaquã

Na tarde desta quarta-feira (23), uma megaoperação contra os crimes de organização criminosa, tráfico de drogas e homicídio foi realizada no bairro Bom Sucesso,...