A defesa das conquistas e a luta pelo atendimento de demandas importantes das mulheres ao longo dos anos, sobretudo das trabalhadoras rurais, serão evidenciadas no XXVII Encontro Regional de Mulheres que deve ocorrer em Dom Feliciano no próximo dia 08 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher.

O evento que está sendo organizado pela Comissão Regional de Mulheres da Regional Sindical de Camaquã e pelo Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (STR), de Dom Feliciano, estima contar com a participação de mais de 800 pessoas dos treze municípios que integram a Regional.

Já pela manhã as comitivas municipais serão recepcionadas na praça da Casa da Cultura do Imigrante, na entrada da cidade, de onde por volta das 09 horas deverá partir uma caminhada, com manifestação pacífica, reivindicando direitos em defesa do agricultor familiar, com abordagem dos temas: “Fim da Violência Sexual” e “Segurança no Meio Rural”.

Para o presidente do STR de Dom Feliciano, Ênio Maciejewski, este deve ser um momento de chamar a atenção das autoridades competentes para estas demandas reprimidas do meio rural.

“Precisamos mostrar que o trabalhador rural também é gente e que enfrenta estes problemas sérios no seu dia a dia. Ainda temos no campo mulheres que são agredidas, violentadas e não conseguem se defender. A falta de segurança também nos inquieta. Não são raros os casos em que as famílias vão pra lavoura e quando retornam percebem que tiveram suas casas arrombadas e os seus pertences roubados. Precisamos de políticas públicas que combatam esses tipos de crime, que causam tantos prejuízos e deixam traumas irreparáveis”, colocou o presidente.

Outro momento que deve merecer destaque no encontro é o painel que será apresentado pela prefeita de Cristal, Fábia Richter, e tratará do empoderamento da mulher.

Fábia é enfermeira, pós-graduada em saúde da família, com experiência de 23 anos trabalhando no setor e revela que sua fala deverá se basear em inúmeras situações de seu ambiente de trabalho, destacando a importância da família, sobretudo do papel da mulher neste contexto.

A fala também se baseia na passagem bíblica que fala da gravidez de Maria, mãe de Jesus, evidenciando sua fé e coragem, em tempos difíceis, quando teve de revelar para família que estava grávida do Messias e que este filho não era de seu noivo.

“Nós temos pouca fé e coragem e precisamos, enquanto mulheres no contexto da sociedade, nos dar conta que por mais que o homem seja o telhado ou o alicerce, a mulher é a viga que sustenta a estrutura da sociedade. Onde uma mãe se perde, na maioria das vezes a família se perde, os filhos se perdem. A mulher tem a tarefa de organizar, gerenciar e coordenar ações com a capacidade de ter uma visão diferente do todo”, considera Fábia.

A palestra também trata da luta por uma sociedade justa em se tratando de gênero e da importância em ser feliz.

O encontro terá ainda atividades temáticas com o desfile da trabalhadora rural e apresentações artísticas e culturais.

Também ficará marcado neste dia o lançamento regional da Marcha das Margaridas 2019, prevista para acontecer em 13 e 14 de agosto, em Brasília, e que terá como tema este ano: “Margaridas na luta por democracia e garantia de direitos”. A Marcha das Margaridas é uma ação coletiva protagonizada pelas mulheres do campo, da floresta e das águas que integra uma agenda permanente de lutas dos movimentos sindical, feministas e de mulheres. Seu nome faz referência à Margarida Alves, Presidenta do Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) de Alagoa Grande – PB, assassinada em 1983 pelas mãos do latifúndio.