A prorrogação dos contratos de exploração das praças de pedágios pela empresa Ecosul na Metade Sul do Estado foi motivo de mobilização política nesta semana depois que foi divulgado pela imprensa na quinta-feira (08) que a empresa protocolou um pedido neste sentido na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Na manhã deste sábado (10/07) a Ecosul divulgou uma nota de esclarecimento sobre o tema.

Confira:

Nota à imprensa – Ecosul

“Com o objetivo de dar transparência ao debate público que busca viabilizar a redução das tarifas de pedágio, a execução de importantes obras que hoje são consideradas “gargalos logísticos” e a ampliação dos serviços de segurança e atendimento aos usuários da BR-116 e BR-392, a Ecosul pretende, por meio desta nota, prestar esclarecimento referente às notícias que estão sendo veiculadas desde ontem (8/7/2021):

A Ecosul protocolou junto à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) uma solicitação para que fossem analisados os pressupostos previstos na Lei 13.448/17 que validam a prorrogação antecipada do contrato de concessão.

Ou seja, trata-se apenas de uma solicitação para a análise da viabilidade jurídica da prorrogação do contrato de concessão.

A Ecosul não apresentou, nesta oportunidade, a proposta com os novos valores de tarifa, obras a serem realizadas ou prazo de prorrogação, pois a concessionária entende que tal proposta está em fase de construção coletiva, por meio de diversos debates públicos que vem sendo realizado desde o ano passado, e que estão sendo ampliados em 2021, com a presença de autoridades, lideranças e da comunidade, com amplo diálogo sobre o tema.

Por fim, a Ecosul ressalta que segue se colocando à disposição para contribuir com o desenvolvimento da infraestrutura rodoviária do Rio Grande do Sul, cumprindo seu compromisso com os usuários da BR-116 e BR-392 e com a sociedade”.