Em uma missa celebrada na noite do sábado, 24 de abril, com a presença do bispo Dom Adilson Pedro Busin, o padre Milton Jacó Krindges foi empossado como novo pároco da Paróquia São José da Fortaleza, em Cerro Grande do Sul.

Natural da comunidade São Pedro Apóstolo, município de Poço das Antas (RS) o novo pároco foi ordenado em 06 de dezembro de 2003 e antes de ser nomeado para Cerro Grande do Sul atuou nas paróquias de São Vicente de Paulo, de Cachoeirinha, Nossa Senhora de Fátima, de Viamão, Nossa Senhora dos Navegantes, de Charqueadas e Nossa Senhora de Fátima, de Gravataí.

Confira a entrevista concedida por padre Milton ao Portal ClicR.

Portal ClicR: Como o Sr. se define como pessoa?

Pe. Milton: É difícil de falar de si mesmo. Mas vamos lá. Não me considero uma pessoa com muitos dons, mas me esforço. Sou alguém sensível, embora tenha muitas vezes dificuldade de expressar. Calmo, disponível, com boa vontade, enfim.

Portal ClicR: Qual a sua primeira impressão da Paróquia São José da Fortaleza?

Pe. Milton: É uma das maiores paróquias da Arquidiocese de Porto Alegre no quesito quantidade de comunidades e distâncias que precisam ser percorridas para chegar até cada uma delas. A quantidade também se traduz pela riqueza e beleza das pessoas que participam e que fazem parte das mais diversas comunidades da paróquia.

Portal ClicR: O que entende que seja seu maior desafio nesta nova missão e como deve encará-lo?

Pe. Milton: Um dos meus formadores do seminário, Pe. Irineu Aloísio Brand, de saudosa memória e que marcou várias gerações de padres, repetia seguidas vezes que ao chegar em algum lugar novo devíamos continuar a dinâmica de cada comunidade no transcorrer de ao menos um ano. Não deveríamos de maneira alguma chegar mudando. Este é o desafio que me imponho neste primeiro momento: ouvir, conhecer e aprender. Em um segundo momento, tendo em conta a realidade própria da paróquia bem como as diretrizes de ação da Arquidiocese de Porto Alegre, vou poder construir um projeto de evangelização. Tudo isso será, no entanto, em parceria com os fiéis, desde o planejamento, execução, até a alegria da colheita dos eventuais frutos.

Portal ClicR: Já deu tempo de se inteirar das atividades da paróquia e de como deverá conduzi-las?

Pe. Milton: Eu cheguei aqui na quinta-feira, dia 22. Portanto não tive muito tempo de saber das coisas e rotinas. Por hora me ocupei da celebração de apresentação que foi sábado, 24, às 19hs na igreja São José e das celebrações do domingo, 25. Daqui para frente vou atender as comunidades e atividades da vida paroquial da forma como vinham sendo atendidas até aqui. Não é a paróquia que tem de se adaptar a mim, sou eu quem peço licença e entro na vida e dinâmica desta paróquia que já é rica e linda. Desta forma assumo a agenda que já está posta.

Portal ClicR: Como o senhor avalia essa questão de ser uma paróquia do interior constituída de comunidades rurais?

Pe. Milton: Com muita naturalidade. Aliás, no meu imaginário mais remoto de ser padre, sobretudo quando fui para o seminário, essa era a paróquia idealizada por mim. Sou do interior e quis o destino que após tantas andanças pudesse ter a oportunidade de ser padre de uma paróquia do interior.

Portal ClicR: O senhor tem algum projeto pessoal que gostaria de desenvolver na paróquia?

Pe. Milton: Em relação a paróquia, não.  Como eu disse há pouco, será em um segundo momento. Agora… em relação a mim, aí gostaria muito que pudesse viver minha vocação de forma serena, leve e espontânea sem com isso abrir mão da determinação e urgência que as coisas de Deus e das pessoas exigem e merecem.

Portal ClicR: Qual sua avaliação, considerando a fé cristã, para este cenário de pandemia que estamos atravessando?

Pe. Milton: Bom… no horizonte do cristão está sempre o esforço, o sacrifício, a Cruz. Diz Jesus que, quem quiser vida só pra si vai perder a sua vida, mas quem for gastá-la esse vai ganhar a sua vida. Não somos filhos e filhas de Deus, portanto, para termos regalias ou sermos privilegiados. Neste sentido esta situação em que vivemos se constitui numa verdadeira oportunidade para viver ainda com maior intensidade a vida de filho e filha de Deus. Os esforços em cuidar de si e dos outros, de se permitir a sugestão de tantos profissionais da ciência e da saúde se constitui oportunidade de cultivar a condição de necessidade, interdependência, de corresponsabilidade e, de quebra, talvez sem percebermos, se torna oportunidade de exercitar a verdade mais profunda de cada um de nós. De sermos filhos de Deus!

Portal ClicR: Qual mensagem o senhor gostaria de deixar aos paroquianos?

Pe. Milton: De esperança. Afirmo não apenas por um desejo simplesmente humano e que é tão inerente a cada pessoa de que dias melhores venham, mas porque o próprio Deus nos garante esta esperança. E, se Deus nos garante, então está garantido. Sua Palavra não falha.