Em reunião realizada com o governo do Estado e Associações de Municípios, na manhã desta terça-feira (1/9), o Executivo apresentou à Famurs um novo calendário de retorno das aulas presenciais no RS. Conforme a proposta, a retomada seria pela Educação Infantil a partir do dia 8 de setembro, seguido do Ensino Superior e Médio, Ensino Fundamental anos finais e, depois, anos iniciais. A Famurs manifestou, mais uma vez, que não é favorável a volta às aulas neste momento.

Para a entidade, o estudo apresentado pelo Executivo não levou em consideração o estágio da pandemia no estado, na comparação com outros estados brasileiros e países, e não considerou um programa efetivo de testagem. Em sua explanação, o presidente da Famurs e prefeito de Taquari, Maneco Hassen, argumentou que ainda não há uma estrutura mínima para garantir que os protocolos sejam cumpridos. “O Estado, que deveria ser o primeiro a nos dar segurança, só vai retornar daqui a 45 dias. Nós, municípios, teremos que fazer o experimento, o teste e correr o risco de ter alunos contaminados, enquanto o Estado espera e, se tudo der certo, voltar em 45 dias. Mais uma vez a responsabilidade fica com os prefeitos e prefeitas” reprovou.

Da mesma forma a administração municipal de Mariana Pimentel garante que não vai retomar as aulas presenciais enquanto não houver uma melhora no cenário da pandemia.

Em nota na página da prefeitura no Facebook os gestores informaram que foi realizada uma enquete pela internet sobre o tema na última semana que revelou uma grande maioria contrária ao retorno das atividades presenciais nas escolas. Durante reunião do Comitê de Crise para Combate ao Coronavírus, nesta terça-feira, 1º de setembro, o números da enquete foram apurados resultando em 306 votos, sendo 291 contrários ao retorno das aulas e 15 favoráveis ao retorno, ou seja, 95% dos participantes não concordam com o retorno das aulas e 5% concordam.

A administração afirma ainda que foram ouvidos inúmeros pais durante a entrega de apostilas das aulas programadas e, segundo a representante da SMEC no Comitê de Crise e diretora da João Ziulkoski, Anelise Laux, a resposta dos pais foi unânime e discordar com o retorno das aulas.

Com informações de Famurs e Ascom Pref. Mariana Pimentel