Em 2019 a agricultura foi muito afetada devido à seca que atingiu todo o Estado. Nesta atual safra o cenário vem se repetindo novamente com uma dificuldade imensa na produção, tanto do tabaco, milho, feijão e outras culturas. No entanto, a irrigação tem se tornado fundamental para que as lavouras se desenvolvam não ficando dependentes das chuvas que nesta época do ano ficam cada vez mais escassas.

O agricultor Jair Marques que mora na localidade de Boca do Campo divide as atenções na sua propriedade com o fumo e o milho. Nestas duas culturas devido à falta de chuva teve que fazer a irrigação por aspersão e obteve resultados satisfatórios.

O plantio do milho é dividido em duas etapas. São 7 hectares que já estão plantados, destes 5 hectares foram irrigados uma vez e 2 hectares não foi possível fazer a irrigação devido a demanda de serviço. Jair estima que onde foi irrigado a produção deverá alcançar 100 sacas por ha e onde não foi irrigado cerca de 60 sacas (40% a menos). Todo o processo de colocar os canos para fazer a irrigação é muito cansativo e exige bastante tempo além de também açudes para que possa utilizar a água e neste sentido o agricultor vê uma necessidade não atendida.

“Pra melhorar a irrigação no município dependemos da prefeitura municipal colocar à disposição de todos os agricultores do município um trator com scraper e também uma escavadeira hidráulica para a secretaria de agricultura” observou.

A segunda leva de plantio será feita em seguida após o termino da colheita do tabaco, o produtor planeja plantar mais 5 ha do milho safrinha.

A boa produção do agricultor avalizada pela irrigação traz uma maior tranquilidade sabendo que terá melhores resultados, contudo, no município segundo Elias Kuck Extensionista Rural da Emater, a maioria dos agricultores terão uma quebra de 35% da produção do milho safra.

De acordo com Elias, cerca de 1000 hectares do milho safrinha vão começar a ser plantados a partir da semana que vem.