Faleceu na noite desta sexta-feira, 15 de janeiro, vítima da Covid-19, o político tapense Álvaro Celeste Barbosa Cardozo, aos 58 anos.

Embora seguindo carreira profissional no norte do país, no estado de Roraima, onde foi suplente de senador e se aposentou como advogado e procurador da União, o político irreverente e de discursos fortes nunca perdeu a ligação com sua terra natal, onde quase sempre participava de alguma forma das eleições municipais.

Celeste teve uma juventude ativa na vida social e política tapense e aos 26 anos, ainda antes de deixar o município, se elegeu vereador pelo PDT, no pleito de 1988, quando obteve 307 votos, sendo o quinto mais votado daquela disputa.

Sempre que passava por Tapes, o advogado era protagonista de encontros com discussões políticas que rendiam boas resenhas. Em 2004 chegou a ensaiar uma candidatura a prefeito, de Tapes, mas acabou não concorrendo, no entanto lançou sua esposa na época, Rosângela Celeste, como candidata a vereadora pelo PDT, a qual se elegeu para o mandato de 4 anos.

Nas diversas vezes que falou para o jornal Regional e Portal ClicR, Álvaro Celeste sempre fez questão de colar sua imagem a massa menos favorecida da sociedade tapense e revelava sua vontade de comandar o Executivo Municipal.

Em 2016 o advogado finalmente se lançou candidato a prefeito de Tapes, pelo MDB, numa eleição municipal em que alcançou 28,22% dos votos (2.814 votos), tendo concorrido com mais três candidaturas, quando foi eleito Silvio Rafaeli do PDT, com 33,66% dos votos (3.357 votos).

Na eleição de 2020, Celeste esteve novamente cotado em Tapes entre os possíveis candidatos a prefeito, contudo desistiu no meio do caminho e de Roraima fez um desabafo pelas redes sociais confirmando mais uma vez sua maneira ácida de se expressar, quando classificou a política municipal de Tapes como “suja”.