Morte durante perseguição policial em Camaquã foi registrada como homicídio culposo

A perseguição policial que resultou na morte do jovem Maikel Affeldt, de 21 anos, no final da tarde desta quarta-feira, 22 de janeiro, em Camaquã foi registrada como homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.

De acordo com o registro na Delegacia de Polícia Civil de Pronto Atendimento de Camaquã (DPPA), os policiais militares que integravam um guarnição da Brigada Militar (BM) estavam em patrulhamento quando avistaram um indivíduo numa motocicleta e ao lado outro indivíduo que apresentava um volume embaixo da roupa e quando estes avistaram a viatura empreenderam em fuga.

Os policiais informaram a sala de operações da BM sobre o fato e deram início ao acompanhamento chegando a perder os suspeitos de vista, mas localizando instantes em seguida tripulando a moto. Os policiais informaram que os sinais luminosos e sonoros da viatura estavam ligados e que foi dada ordem para que parassem o veículo, mas que foi ignorada pelos fugitivos. Relatam ainda que em certo momento se aproximaram da moto quando o condutor da mesma tentou desviar galhos de árvores na via e jogou a moto para cima da viatura, chegando a colidir e danificar o carro, que por sua vez, para não atropelar os indivíduos, abruptamente desviou vindo a capotar.

Em entrevista à rádio Acústica FM, de Camaquã, o subcomandante do 30º Batalhão de Polícia Militar, Major Marcelo Ferreira, não confirmou a colisão com a motocicleta e explicou que com a queda, o capacete de Maikel Affeldt teria se soltado e o jovem bateu fortemente com a cabeça no chão.

O Major também lamentou o ocorrido. “Recebemos com tristeza a morte do jovem durante a ocorrência, aqui na corporação. Nos solidarizamos com a dor da família pela perda”, disse na entrevista.

Ainda de acordo com o registro na Polícia Civil, os policias que estavam na viatura que capotou desembarcaram e foram ver a situação dos indivíduos que caíram de moto, acionaram a SAMU, isolaram o local, e viram que um deles estava visualmente em estado grave e o outro estava lúcido, conversando com a guarnição.

Logo chegaram duas guarnições de apoio e os soldados envolvidos no acidente recolheram-se para o batalhão para providências internas. A BM se compromete a apresentar a viatura para perícia de dano quando solicitado pela autoridade policial. A vítima não possuía CNH. A documentação da moto estava vencida.

A Polícia Civil segue investigando o caso e um inquérito deverá ser aberto pela Brigada Militar para apurar os fatos.

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
%d blogueiros gostam disto: