Bettina Lerman, de 69 anos, teve quadro agravado por diabetes e seus pulmões foram ‘totalmente destruídos’, segundo médicos. Filhos viajaram para entregar sua casa alugada e escolhiam até roupa com que mãe seria enterrada.

Bettina Lerman passou mais de um mês em coma por causa da Covid — Foto: Reprodução/Facebook/Andrew Lerman

Uma mulher que passou mais de um mês em coma após contrair Covid-19 despertou no dia em que os aparelhos que a ajudavam a continuar viva seriam desligados, em Portland, nos Estados Unidos.

A família tinha tomado a decisão de autorizar o desligamento depois que os médicos explicaram que não havia chances de Bettina Lerman, de 69 anos, sobreviver. Segundo seu filho, Andrew, eles haviam dito que ela jamais acordaria.

O caso de Bettina se agravou porque ela é diabética e tinha passado recentemente por uma cirurgia para a implantação de um marcapasso quádruplo. Os médicos disseram que seus pulmões foram “totalmente destruídos” pela doença e ela estava entubada desde o início da internação.

Andrew contou ao jornal “Washington Post” que, após a mãe ter sido desenganada, ele e seus irmãos foram até a cidade de Tavares, na Flórida, entregaram a casa alugada onde ela morava e doaram muitos de seus pertences.

Os filhos passaram então a planejar o funeral, chegando até o ponto de escolher o caixão, a lápide e a roupa com a qual ela seria enterrada, para que a mãe tivesse a melhor cerimônia possível.

Até que, em 29 de outubro, ele recebeu um telefonema do hospital, no qual um dos médicos o informou que Bettina havia despertado. Andrew disse que chegou a deixar o telefone cair, de tão surpreso com a notícia.

Ainda internada e com a ajuda de um respirador, a mulher já deixou a ala de tratamento intensivo, e o próximo passo é iniciar um tratamento de reabilitação. Os profissionais do hospital onde ela se recupera a chamam de um “milagre médico”.

Bettina Lerman estava em Portland para ajudar a cuidar do ex-marido, que tem câncer. Ela planejava tomar a vacina anti-Covid quando retornasse à Flórida, mas ficou doente antes. Além dela, o ex-marido, Andrew e a mulher dele também foram contaminados pelo coronavírus, mas todos já se recuperaram.

Andrew, que também não tinha tomado a vacina, disse ao “Washington Post” que sua própria doença e a gravidade do caso de sua mãe o levaram a repensar a decisão de não se vacinar, e que ele agora irá buscar a imunização.

Por g1