As discussões entorno das medidas para combater os avanços da pandemia de covid-19 fizeram parte da agenda dos gestores municipais durante toda a sexta-feira, 05 de março, tendo iniciado pela manhã em um encontro virtual com a participação de dirigentes da Famurs, das Associações de Municípios do RS e do governo do Estado.

Apesar da manifestação de preocupação e apreensão da maioria dos prefeitos com o fechamento do comércio de pequeno porte, o presidente Famurs, Maneco Hassen, enfatizou que os números são alarmantes e requerem decisões duras. “Ampliação de medidas restritivas me parece que é a maneira mais sensata, necessária e que é possível para colocarmos um freio neste caos que estamos vivendo”, explicou.

Durante a tarde foi a vez dos gestores que fazem parte da Associação dos Municípios da Costa Doce (ACOSTADOCE) se reunirem para debater a situação regional e numa decisão coletiva ficou definido que os municípios deverão adotar o lockdown no próximo final de semana, começando às 20h da sexta-feira (12) e terminando às 5h da terça-feira (16).

A informação foi repassada pelo prefeito de Camaquã, Ivo de Lima Ferreira, na manhã deste sábado (06/03) em uma entrevista ao programa Controle Geral, do Portal Clic Camaquã. O gestor destacou o fato de que o hospital de Camaquã, que atende a região, está com sua demanda de pacientes além do limite e que os profissionais de saúde estão trabalhando com uma carga excessiva de estresse elevando o esgotamento físico e mental de toda a equipe.

O decreto de Camaquã com o regramento do lockdown deverá ser emitido já na segunda-feira (08/03), segundo o prefeito, que justificou a antecedência do anúncio com o fato de que os lojistas, sobretudo dos supermercados que trabalham com produtos perecíveis, tenham tempo para se organizar. Pelo que adiantou o prefeito, em Camaquã somente deverão funcionar as farmácias com serviço de tele-entrega e os postos de gasolina, mas com as lojas de conveniências fechadas.

Os demais municípios da Costa Doce ainda não se manifestaram oficialmente quanto as decisões locais.