A nutricionista Daniela Zenker Bischoff, moradora de Sertão Santana, profissional que trabalha na Academia da Saúde e Saúde Metal de seu município, bem com exerce atividades em outros municípios, busca através de seu texto informativo proporcionar o bem estar de todos que estão em quarentena devido a pandemia do Coronavírus.
O texto que serve de auxilio e orientação para todos os internautas se encontra na página do facebook da Sec. Mun. de Saúde de Sertão Santana.

O sistema imunológico é responsável pelo reconhecimento e pelo combate de micro-organismos invasores patogênicos (bactérias e vírus), evitando, assim, o desenvolvimento de doenças e diminuindo a ocorrência de possíveis sintomas. Uma dieta balanceada é a solução para manter o sistema imunológico em dia, porém não existe nenhum alimento capaz de prevenir ou curar a COVID-19, o que existe são alguns alimentos que podem fortalecer o nosso sistema imunológico e com isso os sintomas da doença poderão ser amenizados.
De uma maneira geral, frutas, verduras, legumes, grãos integrais, proteínas e leguminosas, como feijão, lentilha, ervilha e grão de bico são as principais fontes de vitaminas, minerais, antioxidantes e fibras, nutrientes fundamentais para saúde, formação e estímulo do sistema imunológico. Especificamente alguns alimentos podem ser nossos aliados nesse processo de fortalecimento do sistema imunológico, tais como:

Frutas rica em vitamina C

Frutas ricas em vitamina C, como por exemplo, laranja, limão, abacaxi, goiaba, kiwi, acerola, manga e morango. Também devemos dar atenção às frutas das cores vermelho e roxo, pois são ricas em flavonoides que ajudam a combater os radicais livres, prevenindo o envelhecimento celular.

Gengibre, própolis e cúrcuma, possuem efeito anti-inflamatório natural, podem ser incluídos nas receitas do dia-a-dia, inclusive em sucos. Lembrando que os hipertensos devem ter um cuidado com o consumo de gengibre, deve ser usado com moderação.

– Iogurte, Kefir e leite fermentado, possuem ação probiótica, proporcionada por micro-organismos “do bem”, auxiliando na regulação da nossa flora intestinal.

Alimentos com ômega 3, as chamadas “gorduras boas”, como as sementes, castanhas, azeite de oliva, peixes, leguminosas, abacate, chia, linhaça e coco também ajudam nesse processo.

Os alimentos ricos em ácido fólico e zinco, auxiliam na formação e funcionamento das nossas células de defesa, algumas fontes desses micronutrientes são: vegetais verde-escuros, brócolis, couve, espinafre, laticíneos, carne de fígado, castanhas, sementes, e leguminosas.

A vitamina D desempenha interação com o sistema imunológico além da sua função no metabolismo do cálcio e formação óssea. Suas principais fontes são: gema de ovo, bife de fígado, atum, sardinha, leite e derivados. É importante ressaltar que a exposição ao sol ativa a produção de Vitamina D, então é importante que haja exposição por pelo menos 15 minutos todos os dias, evitando os horários em que o sol estiver muito forte.
A vitamina E é encontrada em grande variedade de alimentos de origem vegetal, como: óleos vegetais, germe de trigo, milho e soja. A deficiência desta vitamina pode comprometer vários aspectos da resposta imune, entre eles a imunidade mediada por células B e T.

Assim como existem os alimentos benéficos ao nosso sistema imunológico, algumas escolhas podem prejudicar a imunidade, como o consumo de álcool que pode provocar queda da imunidade. E o consumo de alimentos industrializados, que contém muitos conservantes, corantes, produtos químicos, gordura, açúcar e sal.

Nessa fase de isolamento é importante que além de uma alimentação saudável, também tenhamos cuidados com nossa saúde física e mental. Estaremos menos ativos, inseguros e mais ansiosos, e geralmente é aí que mora o perigo, pois essa ansiedade faz com que consumimos mais alimentos e consequentemente gera o aumento de peso, gordura corporal, tendo como uma das consequências a descompensação da glicemia e da pressão arterial.

Para tentar amenizar a ansiedade e a compulsão alimentar:

Evite comer ao assistir televisão, isso faz com que percamos a noção do quanto estamos ingerindo. Faça da sua refeição um momento prazeroso e de tranquilidade. Mastigue bem os alimentos, isso também ajuda o seu cérebro assimilar que você está se alimentando e ativar a sensação de saciedade. Em média, o nosso organismo leva de 15 a 20 minutos para avisar o cérebro de que está saciado. Durante a mastigação, o corpo vai recebendo avisos e se preparando quimicamente para a assimilação dos nutrientes, até o momento que dá os sinais de satisfação. Assim, a mastigação pode ser considerada um excelente medidor para a quantidade adequada de alimentos a se ingerir. Se os alimentos não forem bem triturados e chegarem pedaços grandes ao estômago, o trabalho deste órgão aumenta. O resultado é uma digestão inadequada, azia, fermentações e gases.

* Consuma alimentos ricos em fibras, priorize comer frutas, verduras, hortaliças, cereais integrais e gorduras boas, pois são opções que te deixarão saciado por mais tempo.

* Evite o açúcar! Ele aumenta a liberação de dopamina, por isso gera a sensação de prazer e aumenta a liberação de grelina, responsável por estimular a ingestão alimentar, gerando o ciclo vicioso que a gente já conhece: quanto maior a ingestão de doces, maior será a vontade de comer mais doces.

* Não pule refeições. Este hábito altera a glicemia e provoca mais compulsão na refeição seguinte. Evite beliscar, mantenha refeições regulares.

* Mantenha–se hidratado. A região cerebral que controla a sede é a mesma que controla a fome. Por isso, os sinais podem ser confundidos facilmente, gerando a vontade de comer quando um copo de água é a solução.

* Use seu tempo para praticar alguma atividade que lhe dê prazer e sensação de bem estar, como por exemplo, realizar alguma atividade física, ler um livro, fazer palavras cruzadas, aprender um jogo ou alguma atividade que você ainda não conhece, não fique somente assistindo aos noticiários.

* Para quem gosta de cozinhar, e às vezes pela correria do dia – a – dia não consegue, pode usar esse momento para aprender novas receitas, criar, inventar e usar a imaginação.

Tente reconectar-se com o seu interior, buscar o seu auto-conhecimento, cuidar de você. Somos apenas um grãozinho de areia perante o universo, e sim, precisamos um do outro, precisamos cuidar do nosso planeta que ultimamente tem sofrido tanto com as ações do homem. Pense na forma que estava levando a sua vida e como as suas atitudes interferem na vida de outras pessoas e o que você pode melhorar em relação à isso.

Vamos espalhar mensagens positivas!

Daniela Zenker Bischoff
Nutricionista – CRN² 11514