Operação Nossa Praça combate corrupção na Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR)

Dois ex-gestores foram presos e 8 ordens de busca foram cumpridas

A Polícia Civil, por meio da 1ª Delegacia de Combate à Corrupção (1ª DECOR), da Divisão Estadual de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (DCCOR), deflagrou nesta terça-feira (14) a Operação Nossa Praça para desarticular associação criminosa estruturada no âmbito da Empresa Gaúcha de Rodovias – EGR.

Foram cumpridas 10 ordens judiciais expedidas pela 9a Vara Criminal da Comarca de Porto Alegre, sendo 8 ordens de busca e apreensão nas cidades de Porto Alegre e São Leopoldo, na sede da Empresa Gaúcha de Rodovias – EGR, na Secretaria Estadual de Logística e Transportes e nas residências de investigados, além de 2 ordens de Prisão Temporária, sendo efetivadas as prisões de ex-diretor-presidente e de ex-supervisor executivo da EGR.

Durante o cumprimento dos mandados de busca foram apreendidas uma arma de fogo sem registro e a soma aproximada de 20 mil dólares sem comprovação de origem.

Segundo o Titular da 1ª DECOR, Delegado de Polícia Max Otto Ritter, as investigações indicam que contratos de manutenção de praças de pedágio foram prorrogados contrariando apontamentos expressos de órgãos competentes de controle e da Procuradoria-Geral do Estado. Um processo licitatório em andamento foi revogado com o objetivo de contratação de empresas para substituição dos pactos prorrogados.

Ficou constatado que a revogação do processo licitatório beneficiou diretamente as mesmas empresas que já estavam contratadas desde o ano de 2019. A investigação apontou formação de cartel, superfaturamento e sobrepreço em licitação da Estatal no ano de 2018. Ademais, considerando a não-indicação de renovação dos contratos, investigaram-se os motivos pelos quais o ex-diretor-presidente da Estatal, preso nesta manhã (14), determinou a suspensão e posterior revogação da nova licitação, que já estava em andamento.

Foram apurados favorecimentos a empresas por antiga gestão da Estatal envolvendo todas as 12 praças de pedágio mantidas pela Empresa Gaúcha de Rodovias. Havia, inclusive, uma espécie de “escritório paralelo” para a concessão das benesses irregulares. Às empresas contratadas para fins de arrecadação de pedágios nas estradas estaduais foram pagos desde o ano de 2019 a importância de cerca de R$ 89 milhões.

A Operação Nossa Praça é desencadeada pela Polícia Civil com apoio da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre e da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (CAGE).

Em coletiva de imprensa realizada na sede do Deic, onde foi divulgado o saldo da operação, estiveram presentes autoridades que participaram da investigação: a Promotora da Promotoria de Justiça da Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre, Josiene Menezes Paim; o Auditor da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage), Rodrigo Machado; o Titular da 1a Delegacia de Combate à Corrupção (Decor) do Deic, Delegado Max Otto Ritter e o Diretor da Divisão Estadual de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (DCCOR) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Delegado Marcus Viafore.

Fonte e fotos: Ascom PC-RS

POLÍCIA

Homem é preso por porte ilegal de arma em Cerro Grande do Sul

Um homem foi preso na tarde desta terça-feira (28) em Cerro Grande do Sul. A ação foi realizada pela Polícia Civil durante cumprimento a...

Vigilante é preso por tentativa de homicídio contra pedestre em Tapes

Na última segunda-feira (27), os Policiais Civis de Tapes efetuaram a prisão de um vigilante investigado por tentativa de homicídio. O crime aconteceu na...

Polícia Civil abre inquérito para apurar assalto a taxista em Camaquã

A Polícia Civil de Camaquã instaurou um inquérito para apurar o assalto ocorrido em Camaquã na manhã de ontem (26). Na ocasião, um taxista...