O Palcão Municipal de Tapes que há anos vem sendo tema de debates sobre sua funcionalidade na cidade voltou ao cenário das discussões nestes últimos dias.

O espaço público que compreende o Palcão, incluindo a quadra esportiva, que fica em frente à prefeitura, há muito tempo tem sido utilizado para a prática de esportes e promoção de eventos culturais. O local foi equipado com uma estrutura mínima para dar suporte a estas atividades, incluindo a construção de uma pista de skate que foi transformada em palco (que chegou a ser coberto, mas teve o teto removido). Todavia a falta de investimentos na manutenção e melhoria do local foi causando o desinteresse da comunidade em utilizar o espaço e atualmente alguns poucos jovens frequentam a quadra.

No ano de 2018 foi institucionalizado um estacionamento no local que gerou descontentamento e manifestação popular pela sua extinção, que acabou ocorrendo. Em 2019 a Câmara Municipal aprovou o Projeto de Lei 3213/2019 que permitia o Município fazer a permuta com empresas locais, que resultaria na troca do imóvel do Palcão por imóveis à beira da Lagoa dos Patos, complementando um planejamento turístico da época que previa a derrubada de prédios antigos para a limpeza da orla e consequentemente liberação do acesso popular à praia próximo ao centro da cidade. As transações acabaram por não se efetivar e em janeiro deste ano um novo Projeto de Lei, o 001/2021, foi aprovado no Legislativo revogando a permuta.

Recentemente por meio de um trabalho de captação de recursos da secretaria municipal de Turismo, Desporte e Lazer junto ao Governo Federal e com a articulação política da vereadora Cátia Iribarrem (MDB) o deputado federal Giovani Feltes (MDB) indicou uma emenda parlamentar para o Município na ordem de R$ 250 mil vinculado ao Ministério da Cidadania para ações de implantação e modernização de infraestrutura esportiva.

A vereadora Cátia informou que após tratativas com a administração municipal foi acordado que o recurso seria investido na revitalização do palcão e a proposta foi cadastrada no sistema do Governo Federal, no último dia 17 de junho.

O setor de planejamento da prefeitura informou que o projeto arquitetônico ainda não está definido, mas disponibilizou uma imagem ilustrativa do empreendimento pretendido para o Palcão, que mostra uma quadra poliesportiva cercada com tela.

Imagem ilustrativa – Ascom Pref. Mun. Tapes

Espaço para a ONG

Outra discussão que surgiu envolvendo o espaço nesta semana é sobre a possibilidade da cedência para uso das salas onde funcionavam vestiários, na estrutura do palco, a uma ONG local que promove um trabalho voluntário de educação e conscientização sobre bem estar animal, contra maus-tratos e abandono e que luta pelo controle populacional de cães e gatos na cidade, através de projeto castração.

O local serviria como sede administrativa da ONG e, segundo a administração municipal, não iria interferir no projeto de revitalização do local. A prefeitura diz ainda que a proposta surgiu a partir da solicitação dos representantes da ONG ao poder público municipal e que a matéria segue sendo discutida e possivelmente será mandada para a apreciação do Legislativo.