Na sexta-feira, 20 de novembro, o prefeito Sergio da Costa emitiu um decreto que extinguiu os pontos fixos de estacionamento de táxi existentes na área rural do município.

Na prática a medida cria o ponto livre de sistema rotativo em que todos os táxis do município ficam liberados para estacionar em quaisquer dos pontos pré-determinados, respeitando-se o número de vagas.

Os detentores de pontos de táxis do interior do município comemoraram a decisão uma vez que poderão atuar livremente na sede municipal que concentra o maior fluxo de usuários dos serviços, prática que sempre dividiu opiniões e desagradava os que detinham pontos na cidade.

Para Eliandro Jobim, taxista da Linha Fadini, o decreto cria um sistema mais justo e evita desgastes desnecessários no trabalho.

“Acredito que ficou bom pra todo mundo e acaba com a discussão de onde poderemos coletar passageiros ou não, pois não tem como regular, por exemplo, que um taxista do centro da cidade busque um cliente em uma linha do interior, mesmo ao lado de um ponto daquela comunidade. O cliente tem o direito de escolher e todo mundo precisa trabalhar”, considerou Eliandro.

Outro que comemorou a regulamentação foi o taxista de Data dos Tavares, Claudio Sampaio, que se manifestou nas redes sociais a respeito do assunto.

“Hoje o dia é de alegria minha concessão de táxi foi denominada ponto rotativo no centro. Quem espera sempre alcança. Estou no centro agora meus fregueses. Terminou a história dos outros taxista falarem que não trabalho mais”, postou.

Já os taxistas que têm pontos na cidade não concordam com a alteração e garantem que já estão trabalhando para a revogação do decreto.

O taxista Fernando Ladwig (Fernandinho) é um dos que defende a regulamentação antiga sob a justificativa que as concessões de táxis no interior, podem ser adquiridas por valores extremamente menores que as urbanas. Ele disse que o grupo da cidade já conversou com o futuro prefeito Gringo Loco e que o mesmo garantiu que vai revogar o decreto assim que assumir o Governo Municipal em janeiro.

Medida pode se tornar lei

De acordo com o Executivo municipal, além do decreto, um projeto de lei deverá ser enviado nos próximos dias à Câmara de Vereadores, propondo alterar a regulamentação e tornar o ponto rotativo como definitivo.

Também no parlamento municipal o tema divide opiniões e considerando o curto espaço de tempo para o final deste mandato, é possível que a matéria não seja votada ainda este ano e a decisão provavelmente ficará para 2021.