Seapdr cria grupo para acompanhar efeitos da estiagem no Estado

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) estabeleceu um grupo para acompanhar os efeitos da estiagem no Rio Grande do Sul, que já vem sendo sentida por produtores rurais de diversas regiões do Estado.

Em reunião com diretores dos departamentos de Políticas Agrícolas, Agricultura Familiar e de Defesa Agropecuária, além de diretores da Emater/RS, o secretário em exercício, Luiz Fernando Rodrigues Júnior, solicitou que a Emater fizesse, ao longo dessa semana, um acompanhamento mais aprofundado da situação da safra do milho e da soja. “É para que tenhamos uma visão mais ampla do cenário, porque isso impacta também a produção de carne e leite. É um levantamento para verificar a extensão do que está ocorrendo em nosso Estado”.

O secretário lembrou que a estiagem é uma ocorrência relativamente comum nesta época do ano no Rio Grande do Sul e que, nos últimos sete anos, não houve episódios em que ela fosse forte o suficiente para prejudicar a produção agrícola de forma significativa: “Historicamente, a cada dez anos, em sete deles nós tivemos algum comprometimento do potencial produtivo das lavouras e das pastagens em função de alguma restrição hídrica. Apesar disso, desde a safra de 2012/2013 para cá, não tivemos uma estiagem que causasse um prejuízo maior na nossa produção”.

O secretário em exercício destacou que a Seapdr conta com o programa Mais Água Mais Renda, que auxilia produtores rurais a adquirir e licenciar sistemas de irrigação em suas propriedades. “No caso do milho, dos 140 mil hectares irrigados no Rio Grande do Sul, 50% deles são derivados do Mais Água Mais Renda. Além deste, outros programas de incentivo à cultura do milho estão sendo elaborados pela secretaria, para que 10 mil hectares por ano venham a ser irrigados, de forma que a gente possa alcançar o ideal de um terço dos 780 mil hectares do Estado com irrigação. Isso faz com que a política agropecuária da secretaria esteja voltada à prevenção de uma estiagem mais prolongada”, avaliou.

Com dados trazidos pelo Centro de Meteorologia do departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária, o secretário Rodrigues disse que a chuva deve retornar ao Estado na primeira quinzena de janeiro. “Devemos ter uma recuperação plena do regime de chuvas em fevereiro”, concluiu.

Fonte: Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr)

Artigos relacionados

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
%d blogueiros gostam disto: