Um dos desafios dos partidos políticos classificados como Centrão é propagar uma candidatura à Presidência da República capaz de quebrar a polaridade entorno dos nomes de Lula e Bolsonaro para a disputa eleitoral de 2022.

Neste cenário o MDB tem sinalizado que vai lançar ainda este ano a senadora Simone Tebet, de Minas Gerais, como pré-candidata na corrida eleitoral para comandar o país.

A política mineira que se diz ligada às lutas de resistência democrática contra a ditadura capitaneadas outrora por Ulysses Guimarães tem se destacado ultimamente pela sua atuação na CPI da Covid.

Simone não disse ainda de fato se aceitaria este desafio, embora afirme que sabe que o movimento entrono de seu nome cresce e que ela poderá sim ser a terceira via na disputa eleitoral.

Há pouco mais de um ano do pleito o desafio da senadora e do MDB será agregar apoio dos demais partidos do Centrão, além de reverter a rejeição popular a este bloco.

Como está o cenário

Outros partidos de centro já trabalham com pré-candidaturas entre as quais está a do jornalista José Luiz Datena, pelo PSL, legenda que elegeu Bolsonaro em 2018, o DEM também já tem o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta como seu nome escolhido para pré-candidato, os tucanos debatem entre os governadores João Dória, de São Paulo e Eduardo Leito do Rio Grande do Sul e o Podemos sonham com a pré-candidatura do ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro ou então do senador Álvaro Dias.

Além destes o nome que mais se destaca ainda como terceira via no país é o de Ciro Gomes, do PDT, que tem aparecido como maior opção de segundo voto nas pesquisas promovidas até agora.