Na manhã desta quarta-feira, 02 de setembro o prefeito de Tapes e presidente do consórcio intermunicipal Centro Sul, Silvio Rafaeli, publicou um vídeo nas redes sociais falando sobre o debate dos prefeito que integram a entidade, entorno da proposta do governo do Estado para o retorno das aulas presenciais, a qual classificou como indecente, sobretudo pelo fato de iniciar com os alunos de séries iniciais.

“Jogar os nossos alunos da educação infantil como cobaias e deixar pra depois os adultos, que são os alunos de escolas estaduais e que mais sabem se cuidar? É pra dar tempo de o Estado comprar EPIs (equipamentos de proteção individual) e gastar R$ 280 milhões?”, questionou Rafaeli.

O prefeito pontuou que tem havido uma pequena melhora no cenário da pandemia na região, mas que é preciso cautela para manter este controle. Destacou outras experiências desastrosas neste sentido, como na França, onde tem um amigo pessoal, o qual relatou que as aulas presenciais reiniciaram e com elas o surgimento de novos focos da doença que fizeram retroceder no processo de combate.

Rafaeli revelou que entre os 15 gestores municipais que compõem o consórcio apenas um concordou que as aulas devem reiniciar, mas que este deve ser convencido do contrário em novos debates.

“É uma situação desagradável e desnecessária que o governo do Estado, não sei porque, insiste na matéria. Trata-se de uma decisão prematura de quem antes criticava o governo Federal por falta de medidas de segurança, mas agora propõem expor as crianças ao risco, além de que elas são grandes vetores de contaminação, uma vez que muitas são assintomáticas e podem levar o vírus para o convívio familiar onde circulam entre 10 e 15 pessoas. Segurar criança com protocolo de dois metros de distanciamento realmente parece piada”, criticou.

O prefeito chamou a atenção ainda para o que possa ser uma cortina de fumaça com o propósito de desviar o foco do debate da Reforma Tributária que precisa passar pela Assembleia Legislativa do RS.

“Enquanto nossa atenção é puxada pra outro lado e nos desgasta em discutir, o governo atropela o andamento de uma Reforma Tributária que atinge em cheio a agricultura. Sabemos que essas artimanhas acontecem e precisamos estar atentos”, alertou.