Estudantes que utilizam o transporte escolar, no roteiro da localidade de Bela Vista, em Sentinela do Sul, tomaram um susto no final da manhã desta quarta-feira, 22 de maio, quando voltavam pra casa.

O ônibus que carregava cerca de 30 crianças teve um problema mecânico, no setor de direção e ficou sem controle pelo condutor do veículo. O trecho onde ocorreu a falha era uma ladeira e o motorista conseguiu ir freando gradualmente o ônibus que parou a beira da barranca, sem causar nenhum impacto.

O incidente causou grande susto às crianças e preocupação dos pais dos alunos, e reascendeu o debate sobre as condições dos veículos do transporte escolar no município.

Ao tomar conhecimento do fato a presidente do CPM (Conselho Pais e Mestres) da escola Manoel José Soares, de Bela Vista, Andréia da Silva, que também é mãe de dois alunos, imediatamente procurou as autoridades municipais responsáveis pelo setor para pedir providências e denunciar a situação que, segundo ela, não é recente e já vem há tempos preocupando a comunidade que tem testemunhado situações de negligência e irresponsabilidades.

“O próprio motorista do ônibus chegou a dizer algumas vezes que não tinha condição de andar com aquele ônibus e que se o veículo estragasse ele o deixaria na beira da estrada e iria embora”, conta a presidente do CPM.

Andréia disse ainda que fez um boletim de ocorrências na Brigada Militar sobre o ocorrido e que procurou o presidente da Câmara Municipal, vereador Vagner Giordani, pedindo que o legislativo intercedesse a favor dos pais no pedido de providências. Ela protocolou na Casa de Leis um documento escrito de próprio punho onde relata os detalhes da linha escolar, inclusive com reclamações quanto a conduta do motorista, o qual descreve como negligente pelo fato de dirigir sem cuidados e em alta velocidade por estradas esburacadas.

“Além de motorista concursado ele é vereador e conhecendo as condições do ônibus deveria se negar a dirigi-lo, além de expor o fato na Câmara e exigir providências”, diz a mãe.

O presidente da Câmara afirmou que já nesta quinta-feira (23) protocolou o requerimento de Andréia no Executivo municipal e confirmou que o tema da insegurança no transporte escolar já havia sido debatido no plenário da Casa de Leis recentemente, quando foi dada a ciência dos fatos a administração municipal.

O secretário de municipal de administração, Bruno Trescastro, reconheceu o transtorno e disse que medidas já estão sendo tomadas no sentido de sanar de vez o problema. A primeira ação, segundo o secretário, foi tirar o ônibus de circulação.

Ele revelou que na última vistoria dos veículos realizada pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado (CREA-RS) foram apontadas algumas irregularidades e que na ocasião cinco veículos haviam sido imediatamente retirados do serviço para fins de reparos e contratadas empresas terceirizadas para fazer o transporte. Os demais ônibus que, segundo o secretário, de acordo com o laudo do CREA-RS, não ofereciam riscos, foram mantidos no serviço.

Bruno disse que está sendo aberta uma sindicância para apurar as circunstâncias do incidente e não descarta a hipótese de ter havido sabotagem.

“Queremos apurar como essa peça mecânica foi se soltar ou quebrar. E também é importante destacar que atos de vandalismo foram cometidos contra os ônibus da prefeitura recentemente quando foram deixados na oficina e tiveram os vidros quebrados por pedras. Por isso estamos investigando todos os fatos”, concluiu o secretário.

Com o ocorrido da quarta-feira a administração municipal decidiu tirar toda a frota de circulação para uma revisão completa e fazer um novo contrato emergencial para que as linhas sejam atendidas por empresas terceirizadas, sem causar qualquer prejuízo aos estudantes.