Tio Néco com o ilustrador Caiaque e apoiadores da obra

A Associação de Pesquisas Históricas de Arambaré (ASSOPHIA) promoveu na noite de sexta-feira, 28, com a presença de um ótimo público, mais uma edição do Sarau Poético Literário. O evento, realizado no Café Marins, foi marcado pelo lançamento da obra infanto-juvenil “Arachanito conta a história” do escritor Renato Sperling, com ilustrações do artista plástico José Luiz Guimarães Braga, o Caiaque. Uma concorrida sessão de autógrafos reuniu dirigentes culturais, artistas, familiares e amigos do autor catarinense, que escolheu a verde praia da lagoa como último refúgio.

O encontro foi aberto pela vice-presidente da entidade, Helena Dornelles, e em seguida o presidente Renato Sperling, que está lançando seu quarto livro, divulgou a obra “Arachanito”, que conta em versos a história de Arambaré através deste personagem indígena. Ele também agradeceu aos apoiadores da edição, entre eles o consultor de empresas e palestrante Adejanir Silva de Vasconcelos, responsável pela diagramação da revista.

Da tiragem de dois mil exemplares a metade será distribuída gratuitamente nas escolas do município, e o restante já está à disposição para venda. “Solicitamos aos nossos empresários locais que adquiram exemplares da obra para ações de divulgação de suas empresas contribuindo assim para um maior conhecimento da nossa história”, ressaltou Tio Néco.

O Sarau, que transcorreu num clima de muita confraternização, teve como convidado o cantor e violonista Aduiles Pacheco, e no encerramento o músico Nino Rodrigues. A promoção, que abriu as atividades anuais da ASSOPHIA, contou com a presença de poetas da CAPOCAM, além da participação de declamadores da própria plateia, entre eles o arambarense Antônio Omar Machado outro importante apoiador da edição.

A Casa do Poeta Camaquense foi representada pelo presidente Catullo Fernandes e os poetas associados Inez Ramos Crespo, Roger Tavares, J. José Acosta e Francisca Farias, e ainda a presidente da Associação dos Artesãos de Camaquã, Guel Fernandes.

Por: Catulo Fernandes