A VSS Unity, espaçonave da Virgin Galatic, decolou neste domingo (11) com destino à borda do espaço e retornou às (12h44 horário de Brasília). O lançamento ocorreu na cidade de Truth or Consequences, no Novo México.

Inicialmente, a previsão do fundador da Virgin Galatic, o bilionário Richard Branson, era realizar o lançamento às 10h, mas o clima no local o obrigou a adiar a viagem.

Branson fundou a Virgin Galactic em 2004 com o objetivo de criar uma espaçonave capaz de levar até oito pessoas, incluindo dois pilotos e seis passageiros, em voos com foguetes que chegam a mais de 50 milhas (80 quilômetros) acima da Terra, distância que o governo dos EUA considera a fronteira com o espaço sideral.

O VSS Unity, como é chamado o avião espacial, conduziu mais de 20 voos de teste, três dos quais alcançaram a borda do espaço e transformaram cinco funcionários da Virgin Galactic em astronautas. Mas o voo de Branson o tornou o primeiro bilionário fundador de uma empresa espacial a realmente viajar ao espaço a bordo de um veículo que ajudou a financiar.

Quem foi?

Branson levou três colegas para o passeio:

Beth Moses, que detém o título de instrutora chefe de astronautas da Virgin Galactic e cuidará do treinamento de todos os futuros clientes da empresa. Ela já voou para o espaço no VSS Unity antes, durante um voo de teste em 2019. Moses, uma engenheira aeroespacial, não estará apenas a passeio. Ela garantiu a segurança de seus companheiros de viagem e garantirá que a Virgin Galactic colete todos os dados de que precisa, porque este voo foi, no final do dia, um voo de teste;

Colin Bennett, que é o engenheiro chefe de operações da empresa. Bennett ajudou a avaliar a experiência geral e garantir que o equipamento da cabine esteja em boas condições;

Sirisha Bandla, vice-presidente de assuntos governamentais e pesquisa da Virgin Galactic. Bandla estava a bordo pela ciência. A Virgin Galactic frequentemente faz experimentos para fazer uso do ambiente de microgravidade, e neste vôo Bandla experimentou um projeto de pesquisa da Universidade da Flórida que envolve o manuseio de “tubos de fixação portáteis”, de acordo com a empresa.

A Virgin Galactic diz que o trabalho de Branson foi usar suas “observações de seu treinamento de voo e experiência em voos espaciais para aprimorar a jornada de todos os futuros clientes astronautas”.

O que aconteceu?

Quando a maioria das pessoas pensa em voos espaciais, elas pensam em um astronauta circulando a Terra, flutuando no espaço, por pelo menos alguns dias. Isso não foi o que Branson fez no VSS Unity, o único avião espacial que a Virgin Galactic tem em seu arsenal, embora a empresa esteja construindo outros.

Em vez de decolar verticalmente de uma plataforma de lançamento como a maioria dos foguetes, o avião decolou de uma pista perto do hangar da Virgin Galactic em Truth or Consequences, Novo México. (A antiga cidade de Hot Springs, Novo México, mudou seu nome para Truth or Consequences, como parte de uma publicidade nos anos 1950 para um programa de rádio e o nome ficou desde então).

O VSS Unity estava afixado a uma enorme nave-mãe, chamada WhiteKnightTwo, que se parece com dois jatos presos na ponta de suas asas. A nave-mãe levou cerca de 45 minutos para navegar e subir lentamente com a unidade VSS até cerca de 50.000 pés. Então, quando os pilotos deram o sinal verde, a SpaceShipTwo caiu de entre as duas fuselagens do WhiteKnightTwo e ligou seu motor de foguete, voando diretamente para cima acima da velocidade do som.

O VSS Unity é um veículo espacial suborbital, o que significa que não aumentou a velocidade suficiente para escapar da força da gravidade da Terra. Em vez disso, ele disparou a mais de três vezes a velocidade do som, cerca de 2.300 milhas por hora (3.700km/h), a mais de 50 milhas (80 km) acima do solo.

No topo da trajetória de vôo, Branson e seus companheiros passageiros experimentaram brevemente a ausência de peso. É como uma versão estendida da falta de peso que você experimenta quando atinge o pico de uma montanha russa, pouco antes da gravidade trazer seu carrinho – ou, no caso de Branson, seu avião espacial – deslizando de volta para o solo.

Após cerca de um minuto, o motor desliga, deixando a espaçonave e os passageiros suspensos na microgravidade enquanto a SpaceShipTwo rola de barriga para baixo e oferece aos passageiros vistas panorâmicas da Terra abaixo e do vazio escuro acima.

Para concluir a viagem, a SpaceShipTwo usa o que é chamado de sistema de penas para levantar suas asas, imitou a forma de uma peteca de badminton para reorientar o veículo conforme ele começa a cair de volta à Terra. Em seguida, ele abaixou suas asas enquanto desliza de volta para um pouso na pista.

Como isso é diferente do que SpaceX e Blue Origin fazem?

A Blue Origin, de Bezos, adotou uma abordagem muito diferente para seu foguete de turismo espacial suborbital. O veículo New Shepard da empresa é uma cápsula e um sistema de foguete que dispara verticalmente de uma plataforma de lançamento, enviando os passageiros em um vôo de 11 minutos a mais de 60 milhas de altura (96,5 km) antes que a cápsula lance pára-quedas para trazê-los de volta suavemente.

Mas quando as empresas começarem as operações comerciais, a Blue Origin e a Virgin Galactic serão concorrentes diretas. Ambos estão atrás da demografia de caçadores de emoções ultra-ricos, dispostos a desembolsar centenas de milhares de dólares para experimentar um soco supersônico no estômago e alguns minutos de falta de peso.

Elon Musk, o outro bilionário espacial, está conduzindo uma operação muito diferente das que a Blue Origin e a Virgin Galactic irão exibir neste mês.

Em primeiro lugar, a SpaceX constrói foguetes orbitais. Foguetes orbitais precisam acumular energia suficiente para atingir pelo menos 17.000 milhas por hora (27 mil km/h), ou o que é conhecido como velocidade orbital, essencialmente dando a uma espaçonave energia suficiente para continuar girando em torno da Terra em vez de ser arrastada imediatamente de volta para baixo pela gravidade.

É assim que a SpaceX é capaz de colocar satélites em órbita ou transportar astronautas de e para a Estação Espacial Internacional. Embora outra empresa de Branson, a Virgin Orbit, tenha colocado um foguete em órbita, e a Blue Origin de Bezos planeje chegar lá eventualmente com um foguete chamado New Glenn, nenhuma das empresas ganhou as manchetes ou gerou ondas no setor espacial como a SpaceX.

Quão arriscado é o passeio?

As viagens espaciais são, historicamente, repletas de perigos. Apesar disso, talvez os riscos não sejam necessariamente astronômicos para a excursão de Branson ao espaço suborbital, já que a Virgin Galactic passou a maior parte das últimas duas décadas operando seus aviões espaciais em voos de teste.

Ainda assim, sempre que um humano se amarra em um foguete, há riscos envolvidos – e Branson aparentemente decidiu que, para ele, vale a pena.

“Você tem que lembrar que a Virgin Galactic tem pessoas em todos os voos espaciais … O fato de que estou disposto a voar com essas pessoas mostra confiança”, disse Branson ao CNN Business. “Acho que o mínimo que o fundador da empresa pode fazer é subir e voar com seu pessoal.”

Fonte: CNN