O Outubro Rosa é um movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama. O maior foco da campanha é alertar mulheres e sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer.

Segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer) o câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células anormais da mama, que pode formar um tumor, com potencial de invadir outros órgãos. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem lentamente. A maioria dos casos, quando tratados adequadamente e em tempo oportuno, apresentam bom prognóstico.

O Portal ClicR ouviu as profissionais de saúde Adriana Pinzon Enfermeira responsável técnica pelo Posto de Saúde marianense e Nádia Navas Enfermeira que atua em Barão do Triunfo.

Adriana Pinzon

Adriana diz que há vários tipos de câncer de mama. Por isso, a doença pode evoluir de diferentes formas.

“Alguns tipos têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente. Esses comportamentos distintos se devem a característica próprias de cada tumor. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença” explicou.

Nádia Navas enfermeira há 16 anos, alerta para as possíveis formas de detecção do câncer.

“Quanto aos sinais e sintomas podem surgir alterações na pele que recobre a mama, como abaulamento ou retrações, inclusive no mamilo, ou aspecto semelhante à casca de laranja, secreção nos mamilos também deve ser sinal de alerta assim como nódulo (caroço) no seio, acompanhado ou não de dor. Também podem surgir nódulos palpáveis nas axilas. Há fatores que podem aumentar o risco da doença: fatores ambientais e comportamentais, fatores da história reprodutiva e hormonal, fatores genéticos e hereditários” destacou.

Navas também destaca que quanto mais cedo consegui detectar o câncer, ma

Nádia Navas

ior vai ser a chance de cura, por outro lado, as taxas de mortalidade continuam elevadas, provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados.

“Enquanto enfermeira há 16 anos, sempre procuro participar ativamente nas ações do Outubro Rosa, reforçando a importância dos exames de rastreamento. Já passei pela infeliz experiência da detecção de células pré-cancerígenas no colo do útero, descoberto em exame de rotina, mas através de procedimento e tratamento adequado em tempo oportuno obtive bom prognóstico” contou Nádia.

Finalizando a profissional reforçou mais uma vez que o diagnóstico precoce e o aperfeiçoamento das formas de tratamento aumentam as chances de cura. “O SUS oferece tanto a mamografia quanto o exame preventivo de colo de útero, procurem qualquer Unidade de Saúde para orientações” finalizou.

O que causa o câncer de mama?

O câncer de mama não tem somente uma causa. A idade é um dos mais importantes fatores de risco para a doença (cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos).

Outros fatores que aumentam o risco da doença são:

* Fatores ambientais e comportamentais;

* Obesidade e sobrepeso após a menopausa;

* Fatores da história reprodutiva e hormonal

* Primeira menstruação antes de 12 anos;

* Não ter tido filhos;

* Fatores genéticos e hereditários dentre outros fatores

Como o câncer de mama é detectado?

A mamografia é a radiografia das mamas feita por aparelho de Raios-X (mamógrafo). O exame é capaz de mostrar alterações suspeitas antes mesmo de o tumor ser palpável. Entretanto, a confirmação do câncer de mama só é feita pelo exame histopatológico (análise no laboratório de uma pequena parte retirada da lesão por meio de biópsia).

O câncer de mama pode ser prevenido?

De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores, especificamente aqueles considerados modificáveis. Estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Controlar o peso corporal e evitar a obesidade, por meio da alimentação saudável e da prática regular de exercícios físicos, e evitar o consumo de bebidas alcoólicas são recomendações básicas para prevenir o câncer de mama. A amamentação também é considerada um fator protetor. A terapia de reposição hormonal (TRH), quando estritamente indicada, deve ser feita sob rigoroso controle médico e pelo mínimo de tempo necessário.

Câncer de mama tem tratamento? Importantes avanços na abordagem do câncer de mama aconteceram nos últimos anos, principalmente no que diz respeito a cirurgias menos mutilantes, assim como a busca da individualização do tratamento. O tratamento varia de acordo com o estadiamento da doença, suas características biológicas, bem como das condições da paciente (idade, status menopausal, comorbidades e preferências).

O prognóstico do câncer de mama depende da extensão da doença (estadiamento), assim como das características do tumor. Quando a doença é diagnosticada no início, o tratamento tem maior potencial curativo.

As modalidades de tratamento do câncer de mama podem ser divididas em:

Tratamento local: Cirurgia e radioterapia (além de reconstrução mamária).

Tratamento sistêmico: Quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica.

Colaboração: Nádia Navas e Adriana Pinzon