Segundo especialistas, tudo vai depender da velocidade da vacinação no país. Eles ressaltam que todos os idosos com mais de 60 anos precisam ser vacinados para começar a ver uma queda no número de hospitalizações.

Em 12 de março de 2020, há exatamente 1 ano, ocorreu a primeira morte por coronavírus no Brasil – uma mulher de 57 anos, internada na véspera num hospital de São Paulo. De lá para cá, muito se falou sobre o “novo normal”. Usar máscara, manter o distanciamento social, fazer quarentena, higienizar as mãos. Essas medidas foram aplicadas para tentar frear o contágio da doença enquanto cientistas desenvolviam as vacinas. Mas agora, com as vacinas sendo aplicadas no mundo, podemos começar a pensar no “velho normal”? Ele ainda existe?

 

Ainda não dá para saber. Dependemos da vacinação e de outras descobertas:

A campanha de vacinação precisa acelerar

O Brasil precisa de doses

Todos os idosos precisam ser vacinados

Estudos precisam mostrar se os vacinados ainda transmitem

Precisamos saber quando crianças e adolescentes serão vacinados

Especialistas alertam que ainda vai demorar para o Brasil atingir índices como o de Israel, um exemplo na campanha de vacinação, ou como os Estados Unidos, que começaram a liberar atividades para pessoas vacinadas. Ainda temos poucas doses disponíveis e vacinamos menos de 5% dos grupos prioritários.

Mas, apesar de tantas incertezas, o Brasil pode, se tudo der certo e em um cenário muito otimista, chegar a 70% das pessoas com mais de 18 anos vacinadas no último trimestre deste ano. O “tudo dar certo” significa ter as milhões de doses prometidas nos cronogramas do Ministério da Saúde.

Até setembro, o governo prevê receber cerca de 225 milhões de doses. Isso é referente às doses contratadas, sem somar as intenções e negociações. Mas a própria pasta vem reduzindo, repetidamente, a quantidade de doses previstas para chegar ao país (veja detalhes mais abaixo).

Pazuello diz que Brasil não terá colapso na Saúde e reduz pela quinta vez previsão de vacinas para março

Veja o último cronograma do Ministério da Saúde e as divergências sobre doses previstas

O último documento do governo, divulgado no dia 6 de março, diz que o país poderia ter quase 576 milhões de doses em 2021 – o suficiente para imunizar toda a população com mais de 18 anos. O cronograma traz a soma de contratos já firmados com a CoronaVac/Butantan, Oxford/Fiocruz, Aliança Covax/OMS e Covaxin (vacina ainda não aprovada pela Anvisa), além de negociações em tratativas com a Pfizer/BioNTech, Moderna, Johnson/Janssen e Sputnik V.

Redução de doses

Em um cronograma divulgado em 17 de fevereiro, o Ministério da Saúde previa receber 230,7 milhões de vacinas contra a Covid até julho. Dessas, 46 milhões delas seriam entregues em março da seguinte forma:

Oxford/AstraZeneca: 4 milhões (importadas da Índia) + 12,9 milhões (produção nacional com ingrediente farmacêutico ativo importado), num total de 16,9 milhões

Butantan: 18,1 milhões

Vacinas pelo consórcio Covax: 2,6 milhões

Sputnik V: 400 mil

Covaxin: 8 milhões

Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini

Desde então, entretanto, esse cronograma foi alterado ao menos três vezes pela pasta, com redução no número de doses previstas. Depois, outras duas previsões diferentes, também com diminuição nas doses, foram anunciadas pelo ministro da Saúde. A mais recente é que prevê a chegada de 22 a 25 milhões de doses neste mês.

Além disso, apenas duas vacinas listadas entre as previstas pelo ministério foram aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): a de Oxford e a do Butantan, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac.

 

Precisamos vacinar os vulneráveis

Um dos primeiros passos para pensar em voltar ao “velho normal” é vacinar os grupos prioritários. Com esse grupo protegido, o número de casos graves, hospitalizações e óbitos tende a cair.

Para o infectologista da Sociedade Brasileira de Imunizações Renato Kfouri, vacinar a população mais vulnerável pode permitir que as pessoas tenham mais mobilidade, já que a doença provavelmente terá um comportamento diferente.

“A partir do momento que protegermos essa população mais vulnerável, que é quem acaba sendo internada, que vai a óbito, vamos ter uma doença com outro comportamento, que raramente vai levar a caso grave, a morte, porque essa população estará protegida. Nessa hora você muda um pouco os cuidados, tratamento, isolamento. Você permite que a sociedade tenha uma mobilidade um pouco maior”, explica Kfouri.

Israel, país que já vacinou grande parte da população, viu as taxas de hospitalizações e óbitos caírem após a imunização dos mais velhos. “Vimos que em Israel, quando estava com 70% da população acima dos 60 anos vacinada, já começou a ver um impacto grande nos óbitos. Esses 70% correspondiam a 30% da população geral”, explica a epidemiologista da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Ethel Maciel.

 

Os desafios para vacinar essa população no Brasil, entretanto, são gigantes. Faltam doses, o cronograma de vacinas muda a todo tempo, o governo ainda está fechando contratos e a campanha de vacinação segue lenta.

E o Brasil está longe de atingir esse controle da pandemia. Segundo dados do consórcio de veículos de imprensa, a média móvel nos últimos 7 dias foi de 69.680 novos diagnósticos por dia — a maior média de casos desde o começo da pandemia. Isso representa uma variação de 30% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de alta também nos diagnósticos.

 

Brasil precisa acelerar a vacinação

A vacina é uma das maiores ferramentas para tentar conter a pandemia do coronavírus. Mas o Brasil demorou para fechar contratos com as farmacêuticas. E, sem doses, não existe vacinação. Atualmente, dependemos da fabricação das vacinas CoronaVac (responsável por mais de 70% dos vacinados no país) e da vacina de Oxford.

Para pensar em flexibilizar, o Brasil deveria estar vacinando cerca de 2 milhões, 2,5 milhões de pessoas por dia – essa é a média do país por semana. Atualmente, vacinamos menos de 200 mil pessoas por dia. Nesse ritmo, demoraremos mais de 2 anos para vacinar toda a população com mais de 18 anos.

“O governo perdeu o timing, não negociou com as farmacêuticas no ano passado. A gente precisa garantir doses, mesmo que para o segundo semestre. Queremos vacinas que sejam boas, seguras e eficazes”, alerta Maciel.

Mellanie Fontes-Dutra, biomédica e idealizadora da Rede Análise Covid-19, concorda. “Ainda temos um caminho bem grande pela frente. Temos um gargalo das vacinas e como demoramos para fechar acordos importantes, estamos no final da fila. Esperamos que a vacinação dê uma galopada no meio do ano”.

A esperança é a produção 100% em solo brasileiro no segundo semestre. Para os especialistas, a partir do momento que o Instituto Butantan e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) começarem as produções, a vacinação ganhará mais força.

“Eu acho que com a produção do Butantan e Fiocruz ganhando robustez, conseguimos vacinar muita gente. Precisamos acreditar nessas instituições, precisamos ser otimistas”, diz Maciel.

Essa também é a opinião de Kfouri. “Nós pecamos muito na questão da imunização em curto prazo, mas temos uma estratégia para médio e longo prazo. Temos acordos de tecnologia para dois laboratórios brasileiros, o que nos garantirá no longo prazo a produção 100% nacional, uma autossuficiência. Nos dá independência, autonomia e traz muitas vantagens”.

Por Mariana Garcia, G1