Após analisar o decreto emitido pelo Governo do Estado, na quarta-feira (15), que concedeu autonomia às administrações municipais para deliberarem sobre a flexibilização de medidas de controle da Covid-19, e depois de discutir amplamente a questão com diversos setores administrativos e jurídicos do município, o prefeito Sergio da Costa emitiu um novo decreto municipal na tarde desta sexta-feira, 17 de abril, que altera medidas restritivas anteriores em relação ao funcionamento do comércio local.

Pelas novas regras quase todos os estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços do município poderão retomar suas atividades, contudo prevalecem determinações quanto aos cuidados com a higiene, imunizações, proteção individual e distanciamento social.

O documento salienta que proprietários devem entender e orientar seus funcionários sobretudo os que trabalham com atendimento ao público da importância e necessidade do uso de máscaras.

Os comerciantes deverão manter à disposição para uso dos clientes e funcionários, na entrada do estabelecimento e em locais estratégicos, álcool em gel 70% e os consumidores que desejarem adentrar ao estabelecimento deverão obrigatoriamente efetuar a assepsia das mãos com o produto.

Destaca-se ainda que as lojas de vestuário devem proibir a prova de vestimentas em geral, assessórios, bijuterias, calçados entre outros, mantendo fechados e impossibilitados de uso os provadores, onde houver. Também deverão utilizar cartazes informativos fixados em locais visíveis com as medidas sanitárias adotadas pelo estabelecimento.

CONFIRA O DECRETO NA ÍNTEGRA

Lojistas não esperaram o decreto

Angustiados com a morosidade do governo municipal e pressionados pela questão econômico-financeira muitos proprietários de lojas de vestuário e bazares da cidade já haviam aberto suas portas na manhã ou início da tarde desta sexta-feira (17), antes mesmo da publicação do decreto. Nas redes sociais alguns se revelaram preocupados e confusos com o desencontro de informações.

O relaxamento dos cuidados

Passados os primeiros sustos e “arrocho” dos decretos e com a flexibilização das medidas de isolamento social a população dá sinais de ter relaxado com os cuidados necessários para evitar as contaminações.

Pelos espaços públicos das cidades, principalmente nas calçadas e em filas de agentes financeiros ou portas de estabelecimentos comerciais é comum flagrar aglomerações de pessoas em grupo de cinco ou mais indivíduos, a menos de um metro um do outro e conversando normalmente, inclusive se tocando, sem o uso de qualquer equipamento de proteção individual, sejam máscara ou luvas.

Corrigida às 17h25min